Democracia, a gente vê por aqui.

A Irlanda é muito diferente do Brasil.

Não quero dizer com isso que de tudo ela seja melhor, no Brasil nosso sistema bancário e de votação, por exemplo, é muito mais evoluído, mas eu devo admitir que em relação as coisas na Irlanda que funcionam melhor é porque o povo tá ali, atrás.
Educação Pública:
Acho meio precipitado chamar de pública uma escola mantida com a AJUDA do governo por aqui, sim, porque o governo contribui com uma verba para cada escola, o que ela precisa e SE precisa de algo além do que o governo dá quem entra são os pais, tanto é que no início do ano escolar é pedida uma colaboração por aluno de no mínimo 350€* (por termo, ou seja, a cada 6 meses) fora que todas as atividades extra curriculares são pagas a parte, incluindo natação, futebol e até catecismo.
No decorrer do ano são organizadas feiras beneficentes, café da manhã (bem regularmente, tipo a cada 15 dias), jantares, bingos, churrascos, clube do livro e tudo mais que a imaginação mandar para arrecadar dinheiro para escola e promover a interação entre os pais dos alunos, confesso que me sinto sufocada e muitas vezes “sem jeito” de não poder participar da maioria dos eventos por causa das meninas (a maioria acontece na parte da noite), mas acho ótimo conhecer cada pai dos amigos do meu filho pelo nome, ter telefone, endereço e saber que posso contar com eles em caso de emergência, como já aconteceu diversas vezes de eu ter que pedir para alguém levar o Breno para casa porque eu estava “presa” em uma consulta médica ou no trânsito (sim, aqui também tem trânsito!)
Aqui escolas públicas não servem comida, não dão uniforme ou livros. 
(a não ser que os pais estejam desempregados recebendo o social welfare)
E eu não acho ruim.
Pelo contrário, Público quer dizer que é do povo, nada mais inteligente do que o povo colaborar com seu funcionamento ao invés de simplesmente esperar por migalhas do governo.
Saúde
O Plano de saúde funciona como uma garantia para que se um dia você precise de uma cirurgia ou internação, você tenha um atendimento mais confortável, mas é bem diferente do Plano de saúde no Brasil, onde aos primeiros sintomas de gripe, dente nascendo e tombo na escada a galera corre para o consultório médico porque tem o tal do plano, mas reclama a cada aumento.
Senhoras e senhores, como não aumentar?
Nunca vi povo para ir tanto ao médico e fazer tanto exame desnecessário quanto os brasileiros (vide o pré-natal), aqui, mesmo quem tem plano de saúde tem que desembolsar na LATA entre 40€ a 60€ por consulta em consultório e 100€ na emergência de um hospital público, nem preciso dizer que na maioria das vezes a gente só recorre ao especialista em último caso, né?
Farmacêuticos são tão respeitados quanto médicos e em toda a farmácia sempre tem um disponível para atender enfermidades brandas ou aconselhar um especialista em casos mais graves, lembre-se que aqui a maioria dos remédios são vendidos só com prescrição médica.
Durante esses 6 anos morando na Irlanda pude perceber bem as diferenças culturais entre os dois países, não dá para generalizar, mas acho que no Brasil, quando vejo movimentos contra cesárea e as ativistas citando os países europeus como exemplo de humanização, elas esquecem de citar sobre a cultura.
O que essas militantes não sabem (ou esquecem de falar) é que na Europa o povo respeita o médico e o sistema.
Ninguém aqui espera que ao sentir contrações vai ligar para o doutror e ele vai correr ao seu encontro, largando família ou outros pacientes de lado.

O povo não dá chilique se o parto for feito por uma pessoa que ela nunca viu na vida e que parto normal na Irlanda é feito pela Midewife (doula/parteira) e que o médico só entra em ação em casos de emergência e complicação (quantas brasileiras que você conhece se sentiria “amparada” por uma parteira/doula, sem o médico presente? )
Por isso que na rede pública, até no Brasil, o índice de parto normal é maior, paciente público tem filho com quem estiver disponível, não é mesmo?
Em fóruns de grávidas no Brasil o que eu mais vejo é gente reclamando que o obstetra não atendeu o telefone e que está pesando em mudar, porque “imagina se ele não atende quando eu realmente precisar?”
Aqui, a não ser que você pague “por fora” a bagatela de 6000€ não cobertos por plano de saúde nenhum, a gestante não tem acesso ao número do celular do ginecologista , passou mal? é para maternidade que se corre e se for o dia do plantão do seu médico ótimo! se não for você será examinada por outro e tudo vai ficar bem! 
Nesses 6 anos eu aprendi que respeito é bom e que todo mundo gosta, inclusive profissionais da saúde pública que tem vida particular e profissionais particulares que também tem mais o que fazer.
Nesses 6 anos eu aprendi o que é democracia, as vezes de maneira cansativa, mas aprendi.

É um sistema que tem 100% de êxito? não, não é.

Inclusive discordo de muitos pontos sobre a atual política irlandesa, principalmente no que diz respeito ao assistencialismo desenfreado, mas acho que a co-paticipação da população para que as coisas funcionem é algo que anda faltando no Brasil.

Talvez se os Pais fossem mais participativos inclusive financeiramente no ensino público brasileiro, além de exigir resultados mais de perto, muitas pessoas de classe média se sentiriam mais seguras em colocar seus filhos na rede pública de ensino e quem sabe assim, o sistema não melhorasse, né?

Enfim…divago…que é o que uma pessoa grávida sabe fazer de melhor…

*O valor da colaboração varia de escola para escola e é uma colaboração voluntária, ou seja, se você não puder colaborar não sofrerá nenhuma ação por parte da instituição.

Facebook Comments

10 Comments

  1. Não sei tbm o porque do brasileiro adorar tanto um médico!
    Eu nem indico mais a pediatra do Enry pra ninguém, pq sempre que indico a pessoa reclama de ela não passar remédio (oi?).
    Ela medica o que é necessário, não fica passando vitaminazinha, ou outra coisa que possa ser resolvida com uma boa alimentação por exemplo.

    Outro ponto legal é esse do parto, pq é um referencia a questão do acompanhamento por parteiras ou enfermeiras. Eu acho fantástico!
    Eu como doula, gostaria muito que a questão cultural do parto fosse mais adiante. Mas é complicado, pq como vc falou, a mulherada não aceita que o médico não esteja presente. Complica e deixa muito mais caro mesmo!

    Beijos

  2. Olhe! Parabéns pelo texto!!! Uma divagação cheia de verdades!!!!!! Eu sei que existe aqui em Curitiba – PR, escolas municipais que dão de chinelo em muita escola particular por aí. Mas infelizmente sei que será pouco provável que eu coloque minha filha em uma dessas. Pq no pensamento dos outros pais, onde já se viu, uma família que tem carro, e condições de pagar uma escola, vai "tirar a vaga" de uma criança "carente". Incrível, mas existe, eu já passei por isso qd criança e minha irmã tb.
    Eu por teimosia do meu pai continuei na escola, minha irmã (em outra escola e muitos anos mais tarde), teve que sair, pq era inclusive ameaçada por outras crianças e seus pais.
    Quanto aos médicos, tb não entendo pq tanto fuzuê. Médico tb tem vida própria, filhos, ressaca, precisa de descanso!
    Enfim, temos muito o q aprender ainda!

    Abraços,
    Bruna Rauscher

  3. Belo texto, cheio de verdades…nosso país ainda é uma criança…um dia vai saber tirar as boas lições que existem por aí…quanto a escola pública concordo plenamente, se houvesse maior participação dos pais a escola cumpriria melhor os objetivos a que se propoe ou deveria.Bjks

  4. Acredito que essa cultura irlandesa onde o povo contribui com as escolas, seja através de dinheiro, organização e festas beneficentes, faz com que a sociedade valorize e passa a dar mais valor e também a cobrar melhorias dos órgãos públicos.

    Essa questão de saúde também faz sentido. E se por exemplo duas pacientes de um obstetra sentirem contrações? Nada mais normal e sensato que procurar urgentemente o serviço de emergência e aceitar se atendida por qualquer médico, mesmo que nunca o tenha visto.

    Abraços e sucesso!

  5. Quando eu falo para as amigas no Brasil que fui atendida por um time de parteiras a minha gravidez toda e que só fiz 2 scans elas apavoram…. Falta muito muito mesmo pro Brasil evoluir democraticamente, mas se Deus quiser um dia a gente chega lá.

  6. Clap- clap-clap. Adorei seu texto. Aqui está tudo sem nenhum conntrole. Esta se criando uma relação desrespeitosa destinada ao descaso. Ao fracasso. Sim, porque toda açao gera reaçao.

    Hoje , emenda de feriado aqui, acabei de ouvir no jornal hoje que medico NÃO pode emendar feriado! gente, não falo de hospital ou emergencia, não. Este serviço nao deve parar, mas ambulatorio, consultorio, procedimento ELETIVO não poder emendar um feriado?! Esquecem que medicos, enfermeiros…..tem familia, cansam, precisam do repouso para produzir melhor, como todo profissional. Bom, é isso fica o desabafo.Talvez por isso que tenha tanto medico "Deus" por aqui….
    beijo

  7. Ta certíssimo Karine. A classe média no Brasil é muito cheia de mimimi …. bjs

  8. Oi Karine, sou outra grávida na Europa divagando muito ultimamente.
    Aqui o parto é igualzinho. Minha mae se apavorou que será com parteira! Vou te dizer que preferia uma parteira conhecida, mas daí só tendo em casa (na minha ou na de parto). Como nao quero abrir mao da opcao da anestesia (é nosso primeiro filho), vou acabar tendo numa clínica (com médicos de backup, mas comandada por parteiras). Entrei em contato com uma doula e acho que ela irá suprir um pouco o fato da parteira ser desconhecida.
    Nao tenho nem idéia do celular da minha médica. A gravacao que toca fora do horário de atendimento diz que em casos urgentes pacientes devem procurar tal lugar.
    O pré-natal é bem mais enxuto que no Brasil. Meu livro de gestante diz que a Alemanha é dos país europeu onde mais se faz scans, mas que isso nao reflete em nada na taxa de bebes nascidos saudáveis. Eu mesma nao tenho feito tudo de extra que a médica quer. Por enquanto já descartei a medida de TN (achei que dava muito falso-positivo) e estou pensando no cado do doppler.
    As consultas médicas faz pouco tempo passaram a nao ser cobradas (antes era 10EUR) e o plano obrigatório de saúde é de ca. de 8% da renda familiar.
    Ah, os médicos aqui costumam ter consultórios com colegas. É supernormal tu marcar com um médico e na hora outro te atender porque o teu médico tá doente. Nao é lindo os médicos tb terem direito a adoecer?!
    Das escolas eu ainda nao sei, mas creche mesmo pública tem uma taxa de colaboracao de uns 60 a 120 EUR mensais mais taxa de alimentacao.
    Bjs e boa hora!
    Elisa

  9. Oi Katine!
    Achei excelente o texto e vi que vários trechos se encaixam perfeitamente no modelo sueco. Parabéns por compartilhar um pouco mais sobre a cultura irlandesa. Beijos

  10. Concordo plenamente com tudo o você disse, principalmente em relação a saúde. Na minha humilde opinião falta ao povo brasileiro um pouco de vergonha na cara, pois aqui trabalhamos 5 meses, isso mesmo, 5 meses só para pagar impostos, e neste ponto de vista acho muito injusto uma co-participação financeira nos serviços públicos por parte do cidadão, porém cabe a nos cobrarmos uma boa utilização do dinheiro publico, mas por aqui infelizmente é assim, cada um olhando para o seu próprio umbigo enquanto o pais se afunda em desorganização, corrupção e descaso.

Deixe uma resposta