#BlackLivesMatter

Semana passada o menino João foi morto em uma operação policial.

João era negro.

João morava na favela.

João não era bandido.

Ontem George Floyd também foi morto mais ou menos sob as mesmas circunstâncias.

Floyd também é  negro.

A comoção online foi grande, e deveria mesmo ser, afinal, #blacklivesmatter

Essas discussões  são sempre válidas e necessárias, mas como vivemos em um mundo complicado é óbvio que mesmo triste, reações contrárias ao movimento iriam surgir, afinal, RACISMO EXISTE, ou essas mortes não teriam acontecido.

O que me choca mesmo é que mesmo vindo de um lugar de privilégio  eu consigo enxergar tão claramente o absurdo que é ir contra a luta de nos negros que muitas vezes me pergunto se é tão difícil assim se colocar no lugar do outro. Ou se eu sou louca.

Em uma página que eu sigo no instagram @shittymommymoments ela, branca, americana, privilegiada, e militante da causa, fez um post comentando que perdeu e tem perdido muitos seguidores por estar abordando esse tema de maneira crítica, ela apoia o movimento e usa a pagina DELA para expor sua opiniao sensata.

Gente.

Gente!

É uma página de Mães.

Mães (pais, cuidadores…)são as responsáveis por formar ou pelo menos ajudar a formar o caráter do nosso futuro!

O mundo PRECISA de Mães(pais, cuidadores, pessoas…) empaticas.

E o comentário mais curtido naquele post é esse abaixo:

#VidaNegraImporta
#Blacklivesmatter

“Nao existe uma cor ou uma raça mais importante que a outra.Porque você precisar falar mais sobre uma do que a outra?”

Eu passo mal.

Literalmente.

Eu queria de verdade, ter a oportunidade de colocar essa mãe no colo e explicar pra ela:

Então.

Imagine que você tenha 3 filhos.

Um dia, um dos seus filhos sofre um acidente.

Esse seu filho vai precisar de mais atenção e mais cuidados do que seus outros filhos.

Isso significa que você não ama os outros dois?

Absolutamente não.

Você só precisa naquele momento focar na recuperação daquele filho para que daqui a pouco ele esteja recuperado.

#AllLivesMatter mas até a gente chegar em um patamar de igualdade, vamos concentrar , gritar e lutar para que todos, especialmente as mães que são responsáveis por educar o nosso futuro se conscientizsm de que #BlackLivesMatter as much as yours.

Daqui 300 anos, quem sabe, a gente tenha os mesmos direitos, porque deveres, ja faz tempo que todos temos os mesmos.

Negros não estão atrás de privilégios, estamos todos atrás de reparação, de igualdade e que a sociedade reconheça que há sim um problema.

E como disse bem Will Smith:

“Racism is not getting worse. It is getting filmed “

E a gente não pode se conformar.

Facebook Comments

One Comment

  1. Pingback: O que vai mudar depois do Covid-19 | Ká Entre Nós Por Karine Keogh

Deixe uma resposta