Gravidez na Irlanda – Parte 3.

Gravidez na Irlanda – Parte 3.

Pagar ou não pagar?

Qual a diferença entre o atendimento Público, semi-privado e privado?

Na gravidez da Chloe fiz o meu pré-natal na clínica de diabetes do Holles St. e clínica de diabetes é só uma e é pública.
Pra mim o pior de ter experimentado o sistema público foi o rodízio de médicos, você nunca sabe quem vai te atender e dificilmente é o mesmo médico.
Toda gestante tem tipo um diário onde os médicos e enfermeiras colocam todas as informações importantes, mas invariavelmente acabamos repetindo todo nosso histórico milhares e milhares de vezes no decorrer dos meses por causa dessa inconstância, pra mim que tive o Breno no Brasil em hospital particular, impossível não comparar, mas EU acho um pouco extremista brasileiras que prefiram ir para Brasil só para o parto, o sistema é diferente, mas não significa que seja pior, hoje consigo enxergar muitos benefícios em ter filho na Irlanda.

Na época em que estava grávida da Chloe, até os 6 meses de gravidez, o Breno ainda morava no Brasil e como eu não trabalhava, tinha a disponibilidade de passar horas e horas no Hospital, eram muitos exames de sangue o que atrasava demais a consulta, já no final ficava super complicado conciliar o Breno e o Hospital.

Na hora de marcar a cesárea (que foi necessária e não eletiva, como estamos acostumados a ver no Brasil), aí sim, marquei na parte semi-privada.
Dividi o quarto com 3 mulheres e seus bebês, que né? choravam mais que o meu e elas roncavam mais do que eu, pelo menos na minha cabeça, claro.
Me senti desconfortável, não fazia idéia de que teria que dividir quarto, mas conversando com a enfermeira ela me falou que se eu estivesse na área pública a quantidade de leitos seria maior.
E ela devia saber o que estava falando, né?

A conta do hospital chegou em casa em alguns dias junto com o formulário do plano de saúde, o parto foi cesárea e eu passei 3 dias no hospital, só precisei assinar os papéis e não tive despesa. (se eu não me engano, a conta passava de €2000.)

Com a Mia, como a diabetes estava controlada optei por ter todo o tratamento na área semi-privada e paguei €900 pelo pré-Natal com o mesmo médico.
A vantagem pra mim foi na rapidez do atendimento e no fato de não ter que repetir o mesmo histórico toda vez que entrasse para a consulta, não era uma relação tão próxima como a gente tem no Brasil com o nosso obstetra, mas ele me chamava pelo nome e até se lembrava de uns detalhes importantes sem precisar me perguntar tudo de novo, como é praxe na área pública.

Minha cesárea estava marcada com ele, mas como entrei em trabalho de parto 10 dias antes, tive o bebê com o plantonista e foi ótimo! Eamon sentiu uma grande empatia pelo plantonista e muito mais confortável dessa vez do que com a Chloe.

No Parto cesárea e no normal os companheiros podem estar presentes, no meu caso, rosinha entrou após a anestesia e foi o primeiro a segurar os babies.

Eu optei pelo Semi-private e pelo private (€4000 sem incluir o parto) porque meu plano de saúde cobre, porque sinceramente pelos relatos de amigas não consigo ver muita diferença a não ser que sua gravidez seja de risco ou que como eu, você não disponha de muito tempo para esperar o atendimento, que pode ser demorado ou rápido, dependendo do dia, dependendo do hospital e da demanda, já ouvi relato de gente que não teve do reclamar mesmo sobre o atendimento totalmente público.

Agora, se você quer exclusividade, tratamento particular do início ao fim e a certeza de que ficará em um quarto privado quando tiver seu bebê, a opção é o Mount Carmel Private Hospital, a única maternidade particular de Dublin.

Segue abaixo a tabela de preço para o parto normal, você pode escolher semi-private ou private a diferença é bem pouca.

Para maiores informações sobre o Mount Carmel private Hospital é só clicar (aqui).

É importante frizar que a tabela acima não inclui o pré natal, ultrasonografia ou exames de sangue, e que optando por ter seu bebê no Mount Carmel se houver emergência ou situação de risco que necessite de UTI você será transferida para o Holles street.

Para ler sobre Gravidez na Irlanda – Parte 1 clique (aqui)
Para ler sobre Gravidez na Irlanda – Parte 2 clique (aqui)

Facebook Comments

9 Comments

  1. Eu comentei no post anterior que aqui a diferença é grande, né? Mas o que é gritante é que nenhum plano de saúde cobre cesaria (só se for de emergência).

    • Liza aqui não existe cesárea eletiva como no Brasil, ou seja, todas as cesareas são consideradas de emergência, todas com indicação médica, entende?
      Por isso que em tabelas eles nem divulgam o preço da cesárea nem em hospital particular.
      Você não pode chegar no médico, mesmo no privado, e dizer, “ oi, quero ter meu filho de cesarea”.

      Minha cesárea estava marcada para 39º semana porque já tinha tido outras anteriores…mas a maioria dos médicos prefere que a gestante mesmo com indicação de cesárea entre em trabalho de parto.

  2. Acho que a gente acaba se acostumando e vendo as coisas com outro olhar a partir do momento que vive aí na Irlanda, mas, sinceramente "ouvindo" vc contar me parece tão mais complicado que aqui no Brasil. É claro, que aqui ta longe de ser um exemplo, mas eu falo nessa questão de no caso de vc escolher tudo particular e não ter nem uma UTI em caso de necessidade. Me parece um pouco como aconteceu comigo, meu plano de saúde cobria um hospital bem bacana, mas esse não tinha UTI neonatal, aí o médico me olhou bem nos olhos e disse: vai de vc escolher a hotelaria desse hospital ou os recursos da Santa Casa. Qual vc acha que eu escolhi?bjos

    • Francine, Aqui é bem mais simples!
      Os hospitais públicos tem inclusive mais recursos do que os particulares e ninguém morre por falta de atendimento ou leito, entende?
      O fato do Hospital particular (a única maternidade particular na Irlanda) não ter UTI não significa que a maternidade seja ruim, mas que a maternidade pública tem médicos e equipamentos capacitados, como deveria acontecer no Brasil, né?

  3. A sim claro, eu entendi esse lado, mas acho meio estranho cada dia consultar com um médico, por exemplo. É só uma impressão minha, pq com certeza todos os médicos daí são super capacitados, no entanto, eu acho que essa relação de confiança que a gente constrói com o médico, que muitas vezes vira um amigo e confidente, tão importante. Tanto que eu ouvi falar bastante sobre resgatar o médico de família aqui no Brasil quando trabalhava num pronto atendimento.

  4. Mas, não se pode ter tudo né Ka!!!
    Com certeza é muito melhor um sistema publico de saúde que funcione, como o daí, do que algumas facilidades que só uma parcela da população tem acesso. bjão

  5. http://nerdpai.com/campanha-a-favor-da-amamentacao-na-holanda/
    Não tem muito a ver com esse post, mas hoje estava lendo sobre amamentação aqui no blog e decidi te mandar o link pra você pasmar como eu pasmei 😮

  6. Optei pelo pré-natal público da Holles Street e não tenho do que reclamar. Além da sorte de ter pego um bom médico chefe da equipe, que esteve presente em quase todas as consultas, pude ainda ter minhas consultas mensais com meu GP e por fim, no parto fui locada em um quarto semi-private por falta de espaço na ala pública. Não gastei um centavo, mesmo tendo a opção de poder fazer pelo plano de saúde VHI, preferimos seguir pelo público e caso não funcionasse bem mudariamos, mas não precisei. Adorei o serviço da maternidade, como não conhecia o sistema de maternidade do Brasil ficou mais fácil o não comparar, apesar da minha família no Brasil ter ficado bem preocupada, eu preferi ouvir minhas cunhadas e amigas daqui e tentar entender sobre o sistema daqui, e funcionou tão bem que até entendi o porque ter esperado pela indução e minha pequena só ter nascido no 3º dia dela.

  7. Optei pelo pré-natal público da Holles Street e não tenho do que reclamar. Além da sorte de ter pego um bom médico chefe da equipe, que esteve presente em quase todas as consultas, pude ainda ter minhas consultas mensais com meu GP e por fim, no parto fui locada em um quarto semi-private por falta de espaço na ala pública. Não gastei um centavo, mesmo tendo a opção de poder fazer pelo plano de saúde VHI, preferimos seguir pelo público e caso não funcionasse bem mudariamos, mas não precisei. Adorei o serviço da maternidade, como não conhecia o sistema de maternidade do Brasil ficou mais fácil o não comparar, apesar da minha família no Brasil ter ficado bem preocupada, eu preferi ouvir minhas cunhadas e amigas daqui e tentar entender sobre o sistema daqui, e funcionou tão bem que até entendi o porque ter esperado pela indução e minha pequena só ter nascido no 3º dia dela.

Deixe uma resposta