Divorce, Relacionamento com Estrangeiro, Vida Na Irlanda

É preciso dois, para se dançar Tango

It Does Take two to tango

Já dizia o ditado.

É  impossível estar em uma relação onde só um está comprometido, mais difícil ainda é  admitir que quem esta descomprometido é a gente, mesmo que esse descomprometimento tenha vindo de uma reação a ação do outro, mesmo que esse descompromisso tenha vindo de fatores internos, não importa, a gente de uma maneira ou de outra se sente culpado por não ter correspondido com nossas próprias expectativas sobre o que é uma relação de sucesso.

Tenho recebido muitas mensagens, a maioria de pessoas que me acompanham a muito tempo felizes por eu ter tido a coragem de tomar a decisão certa, mesmo ela não tenha sido a decisão mais fácil. Outras um pouco mais agressivas, de pessoas ‘decepcionadas’ por terem sempre achado que meu casamento era perfeito.

Eu acho isso um pouco bizarro, por dois motivos:

Primeiro, porque eu ainda acredito que ter casado com o Rosinha foi uma das escolhas mais felizes que fiz na vida e segundo porque me preocupa a concepcao do que seria uma relação ter ‘dado errado’ para essas pessoas.

Sempre que compartilhei minha vida, seja no blog, youtube ou instagram, fui honesta e verdadeira, meu casamento era sim perfeito, até não ser mais, e não  digo isso para me justificar, mas para tentar explicar que nao é porque uma coisa nao é eterna que ela não valeu a pena.

Se separar é muito difícil, mas tambem precisa ser visto como um ato de amor, por que é um ato de amor. Não é fácil deixar ir, mesmo quando a gente tem certeza do que está fazendo.

Hoje se fala muito sobre pessoas ‘Toxicas’ e quando voce se analisa e percebe que você é a pessoa tóxica do relacionamento que esta, é  um caminho sem volta. Não é fácil admitir isso em voz alta, mas mais difícil e continuar cometendo os mesmos erros.

Eu escrevo sobre a minha vida, a nossa vida, a 14 anos, e quando releio um texto antigo eu me lembro exatamente o que estava sentindo naquele momento, escrever sobre a minha vida, não  quer dizer que eu não tenha o direito de colocar boundaries a respeito das coisas que compartilho.

Tudo o que compartilho é e sempre foi a mais pura verdade, mas nao compartilho tudo, não seria justo com as pessoas envolvidas na minha vida.

Sim, eu sou desapegada, mas ser desapegada não significa não se importar, ou ser desinteressada, eu me importo muito, mas com o agora, e por cada dia me conhecer mais, eu entendo e me aceito como sou e aceito que nem todo mundo, como por exemplo o Rosinha, deve se adaptar ao meu jeito de ser, sendo assim, quando percebemos que somos pessoas melhores separadas, não tem muito o que se fazer, além de aceitar, já que não dá pra mudar a nossa essência.

Pra mim, o que importa é: somos pessoas melhores do que éramos como quando entramos nessa relação? Se a resposta for sim, a relação foi sim, um sucesso.

E vida que segue.

Love lets go.

E todo mundo sobrevive, muito mais fortes e felizes.

Move on without thsm
Move on without them
Facebook Comments

Deixe uma resposta