Desacelerar, é preciso.

Eu gosto de muitas coisas aqui na Irlanda.
Muitas coisas.
E não é coisa de paixão que acaba, é coisa de amor, sabe?
Tanto que se você pedir para inumerar tudo, não vou saber e para não fazer injustiça, vou pular a lista.
Mas tem uma coisa, dentre muitas, que eu agradeço todos os dias, a tranquilidade.
Tranquilidade de não pegar trânsito, de poder fazer as minhas obrigações a pé se eu quiser, tranquilidade de deixar o Breno ir e voltar da escola sozinho(na maioria dos dias), sei lá, tranquilidade que eu não tinha no Brasil.

Hoje, Sempre que visito o Rio de Janeiro, fico impressionada com a correria do dia-a-dia, com o caos do trânsito, com o calor infernal, com a agressividade das pessoas, com a pressa.
Eu não tenho mais pressa.
E não é porque eu não trabalho fora, porque tenho amigas que trabalham e também não se imaginam vivendo no mesmo ritmo que viviam quando moravam no Brasil.

Aqui, embora tendo 4 filhos, sem ajuda de terceiros (com exceção de uma cleaner 1 vez por semana), eu tenho mais tempo para mim e para o que é importante e consigo cumprir com minhas obrigações e horários suavemente, sem muito estresse.
Eu não gosto de estresse.
Nem de gente estressada.
Eu já fui estressada, mas não sou mais.
Deve ser por isso, não sei…

E eu sinto falta de muita coisa, de muita gente, mas sabe quando você não se imagina mais naquela vida e nem sabe como conseguiu sobreviver sob aquela pressão por tanto tempo?
Então.
Eu não sei como eu fazia e nem sei como você aí faz.

Só sei que na primeira marcha, a gente controla mais as coisas e eu acho bacana controlar minha vida, enquanto desfruto da paisagem (mesmo cinza) e o que é melhor, com companhia, pra me fazer ainda mais feliz.

Justin Bieber devia experimentar, ou você.

.

Facebook Comments

13 Comments

  1. Ká moro em SP e a correria aqui é geral. A cada 3 meses vou para a Holanda e quando estou lá me sinto muito bem, sem a preocupação de ter que sair duas horas antes para não perder um compromisso. Agora estou indo morar lá e sei que isso é uma das opções que vou amar, poder fazer as coisas com mais tranquilidade!

  2. Ka, amo seu blog de paixao! Sou leitora anonima mas sempre estou aqui para rir e refletir sobre seus posts. Este em especial me fez pensar… Estou numa fase bem ruim da minha vida… E o que eu mais queria era um pouquinho disso que vc relatou. Estou precisando de menos stress, de desacelerar, de ter tempo para ver a vida, e principalmente,de ter boas companhias. Neste momento estou saindo do meu emprego pq nao aguentei tanta pressao, terminei um namoro de 9 anos (e o meu ex ja esta com outra e ja tem uma filha), estou triste, sem direcao. Parece que o mundo se abriu embaixo dos meus pes. Vontade de ir embora sem saber para onde ir… Talvez Irlanda. Mesmo cinza. Talvez eu tenha a sorte de encontrar un Rosinha para mim e ter uma familia tao linda quanto a sua. Desculpa o desabafo. Nao me contive em escrever. Esta tudo tao recente e desconexo que qdo escrevo (mesmo q para pessoas q nao me conhecem) alivia um pouco meu coracao. Dividir tristezas… Quero tanto dias melhores. Preciso de dias melhores. Nao consigo mais viver assim. Ka te admiro. Gosto mto de vc. Bjos. Desculpa escrever tanto assim… R.k.

  3. Quando as pessoas me perguntao porque deixei o brasil e explico que a qualidade de vida aqui eh muito melhor, os irishs nao entendem.Mas so quem ja viveu isso, essa loucura, calor, gente grossa, etc sabe o paraiso que eh a irlanda. Jamais eu chegaria no trabalho em 20mins de bicicleta se ainda morasse em sao paulo, ou jamais poderia encontrar amigas depois do trabalho pra jantar. Tudo impossivel por causa do transito. Adorei o texto 🙂 bjs

  4. lendo o livro da Maria Mariana ela descrevem bem esse tipo de situacao que quando ela trabalhava era isso e aquilo e que o trabalho que ela tem agora de ser mae de 4 pequenos e o mais gratificante que ela já teve, o que é mais compensador de qualquer outra coisa exercecida profissionalmente.

  5. Sou carioca e fui morar no interior de SP em 2009. Fomos devido melhor oportunidade de carreira (do tipo: aceita ou procura outro emprego, sabe?) do meu marido e como era a renda principal da família, aceitamos. Na época fiquei bastante chateada, estava recém formada e com boas possibilidades de crescimento, mas não havia opção e não aceitávamos ficar separados. Soubemos da notícia 1 ano antes e tivemos tempo de nos preparar, resolvi ter o nosso filho antes da transição, acho que devido a insegurança do desconhecido, ter a família perto. Para mim foi como atravessar um oceano, e olha que são estados vizinhos! Como filha única, protegidíssima, sem amplitude de mundo e falta de apoio familiar, foi complicado. Mas, como o tempo é o senhor de todas as coisas, depois de 2 anos voltei ao RJ devido a uma oportunidade de emprego, dessa vez minha, quis resgatar o que ficou para trás. Meu marido ficou em SP e nós fomos morar em terras cariocas. E foi aí que tomei conhecimento que já havia iniciado o processo de "desaceleração", sem eu perceber. Reparei toda a loucura que vc descreveu, a falta de educação no trânsito, falta de qualidade de vida, calooorrr e tudo mais. Nos dois primeiros meses, pela primeira vez, senti falta do interioorr! Em seis meses pedi demissão e resolvi dar um irmão para o meu primogênito. Estamos aqui há 5 anos e estamos pensando em morar num sítio aqui perto. Criar os meus filhos com pé no na terra, meus bichos soltos e com muito espaço. Enfim, criá-los para serem livres em todos os sentidos! Parabéns pelo post Ká! Admiro sua coragem e determinação! Bjos.

  6. Sou carioca e fui morar no interior de SP em 2009. Fomos devido melhor oportunidade de carreira (do tipo: aceita ou procura outro emprego, sabe?) do meu marido e como era a renda principal da família, aceitamos. Na época fiquei bastante chateada, estava recém formada e com boas possibilidades de crescimento, mas não havia opção e não aceitávamos ficar separados. Soubemos da notícia 1 ano antes e tivemos tempo de nos preparar, resolvi ter o nosso filho antes da transição, acho que devido a insegurança do desconhecido, ter a família perto. Para mim foi como atravessar um oceano, e olha que são estados vizinhos! Como filha única, protegidíssima, sem amplitude de mundo e falta de apoio familiar, foi complicado. Mas, como o tempo é o senhor de todas as coisas, depois de 2 anos voltei ao RJ devido a uma oportunidade de emprego, dessa vez minha, quis resgatar o que ficou para trás. Meu marido ficou em SP e nós fomos morar em terras cariocas. E foi aí que tomei conhecimento que já havia iniciado o processo de "desaceleração", sem eu perceber. Reparei toda a loucura que vc descreveu, a falta de educação no trânsito, falta de qualidade de vida, calooorrr e tudo mais. Nos dois primeiros meses, pela primeira vez, senti falta do interioorr! Em seis meses pedi demissão e resolvi dar um irmão para o meu primogênito. Estamos aqui há 5 anos e estamos pensando em morar num sítio aqui perto. Criar os meus filhos com pé no na terra, meus bichos soltos e com muito espaço. Enfim, criá-los para serem livres em todos os sentidos! Parabéns pelo post Ká! Admiro sua coragem e determinação! Bjos.

  7. Desacelerar…. palavra desconhecida , sério ! Busco e preciso , mas enquanto morar em terras tupiniquins acho que vai ser assim mesmo…..
    Bjos

  8. Adorei o post!
    Concordo totalmente com todas as palavras dessa página.
    Morei na Australia, Canada, Nova Zelandia, mas sempre pouco tempo… max de 1 ano, e sempre q tenho oportunidade, vou pra fora do Brasil. N é pq, como minha mãe fala, "sou chique" (nd a ver), mas é pq só fora daqui consigo relaxar e curtir cada momentinho de paz q a segurança nos dá!
    Aqui no Rio ja sofri mais de dez assaltos, e tive arma apontada pra minha cabeça qdo roubaram meu carro. Meu pai tb teve vários e até tiro deram no carro dele (graças a Deus n acertou nele, só no carro). E isso na Tijuca, no Alto da Boa Vista e até no Leblon… ou seja, o Rio todo ta uma M***
    Por isso, morar fora é meu objetivo na vida. N quero q meu filhinho cresça nessa violênia, falta de educação horrorosa, onde nd funciona, onde corrupção é normal, onde bandido qdo vai preso ja teve mais de dez passagens pela polícia… eles entram por uma porta da cadeia e saem pela outra…aff.
    Ja convenci meu marido (uns 85%), agora falta conseguir autorização de algum país, pq ilegal JAMAISSSS…
    Se for pra Irlanda, vou querer conhece-la pessoalmente hein… =o)
    Bjinhos a todas!

    PS: Se pudesse dar um conselho a essa anônima q terminou o namoro seria: Se joga num intercambio!!!!! Vc esquecerá esse furacão na sua vida e NUNCA se arrependerá!!!

  9. Oi karina, eu como vc ,tambem moro em um lugar desacelerado, no Canada e te digo: esta tranquilidade eh "mega" demais. Eu gosto mas sinto falta da civilizacao e como diz meu medico:"um pouquinho de stress faz bem para poder ter um saudavel relax..So relaxar nao da, a balanca mostra depois os kgs adquiridos . haha Eu Morava em Brasilia em um bairro calmo, numa casa com arvores frutiferas no quintal e ate galinheiro. Qdo precisava ir ao plano piloto, ja sentia um stress no ar.seco. Fazia o que precisava e voltava voando para casa. Agora aqui no Canada as vezes me sinto numa farm..numa fazenda que de vez em quando passa um carro. Nao sei…nao sou chegada neste marasmo, e dias cinzentos entao, da vontade de sair pelada por ai….Aqui eh o pais dos pelados…qdo surtam saem pelados.( tudo eh brincadeirinha, viu?) Mas quero dizer que existe cidades maravilhosas no estado do RS, PR <SC a ate no RJ interior. Comparar cidades superpopulosas do mundo com a tranquilidade da Irlanda, Canada nao tem graca..haha bjos Marilia

    • Concordo plenamente com vc! Não conseguiria mesmo viver no marasmo, mas como vc deve imaginar, a vida com 4 filhos nunca é, nem se eu morasse em uma fazenda! hahaha
      Eu moro em Dublin, a cidade mais agitada aqui da Irlanda e faço milhares de atividades todos os dias, MAS, não tenho os contra-tempos que tinha quando morava no Brasil.
      Eu saio pra jantar toda semana com minhas amigas, vou as compras, vou a gym, levo as kids para playgroups e etc etc etc, nem tanto ao céu, nem tanto ao mar…só dei uma desacelerada, e eu precisava…mas morreria de tédio se não tivesse nada pra fazer, ou com quem conversar!

      Um beijo!

      P.s.: To falando mais ou menos disso daqui ó:

      http://oglobo.globo.com/rio/rio-tem-terceiro-pior-transito-do-mundo-diz-pesquisa-10775611

  10. Quando morava em SP eu acordava todos os dias as 5:30 da manhã. As 6:15 estava no ponto de ônibus. 7:50 chegava ao serviço, que começava as 8 e ia até as 17:00. As 18:30 começava na Faculdade até as 23. Chegava em casa às 23:45, pra comer alguma coisa, tomar banho e cair na cama no máximo as 00:15.

    Vivia com sono. Dormia no ônibus, na sala de aula e só não apagava no trabalho porque não tinha como.

    Juntando isto com poluição, salário baixo, medo de violência, trânsito e falta de respeito de quase todo mundo, não há cristão que aguente.

    Graças a Deus já faz quase 8 anos que minha vida mudou. Não tenho um pingo de saudades de SP.
    Prefiro minha pacata Ennis, meu trabalho em Shannon.

    Abs!

  11. oi Ka, nem me lembro como encontrei seu blog…mas de tanto em tanto venho aqui ler seus pensamentos e refletir junto a vc(daqui do meu cantinho!)…ate pq moro longe do Brasil assim como vc, tenho uma filha adolescente brasileira, tenho uma pequena italiana(nao sao 4, mas 2) e sim…eu tambem tenho um rosinha(rsrsrs!). daqui …da meu canto na italia, acompanhava seus textos e de certa forma sua vida….isso desde o nascimeto da sua primeira filha. escreve textos lindos, com poesia, ironia, alegria…tanta coisa transmite no que escreve. e é muito legal compartilhar com voce isso…rsrsrs e vc nem me conhece. Mas este seu texto tocou tanto em meu coraçao agora que resolvi escrever e …agradecer por ser minha amiga virtual, por ser minha amiga sem saber…e eu, aqui ,das colinas romanas tambem vou levando minha vidinha assim… no stress, desacelarada e bem acompanhada!!bjao!

  12. Tambem adoro, e sabe que agora dirigindo, sinto muito mais essa tranquilidade. Enquanto no Brasil todo mundo quer passar por cima, aqui as pessoas respeitam, param o carro pra vc entrar, no meu caso respeitam o L de learner, to amando ser motorista na Irlanda. Amando ainda mais, saber q nao preciso tanto do carro como imaginei, pq tudo o que faco com a Annalua eh perto. O carro ficou pra ir visitar as amigas sem pressa de voltar pra casa. kkkk

Deixe uma resposta