Filho da Mãe.

E dos pai(s).

Alguém da escola do Breno disse pra ele que a Chloe e a Mia eram suas Meia-irmãs.
Ele ficou arrasado.
Eu não acho desmerecedor ser Meio-irmão de alguém, mas de fato, eu nunca tinha -na vida- parado para pensar (e quem pensaria?) nisso.

Sei lá…acho que se eles não convivessem diariamente na mesma casa podia ser que essa classificação tivesse me ocorrido, mas não é o caso, né?

Achei o comentário desnecessário, mas o que posso fazer se é verdade? quer dizer, meia verdade, porque o pai biológico do Breno morreu e o Rosinha tem feito esse papel e muito bem e quem convive com a gente não me deixa mentir, eles se adoram.

Mas aí que “se adorar” a partir daquele dia não foi mais suficiente e agora, para “provar” ele quer mais do que isso, quer o nome, quer dizer, o sobrenome.

As vezes é complicado não ter uma família tradicional.

Como lidar, senhoras e senhores?
Por favor…
Deixe sua sugestão na saída…

.

Facebook Comments

23 Comments

  1. Faz o q fizemos Ka….o problema aqui em casa tb era o nome, e a Isa sofria profundamente com isto. O jeito foi a adoçao. No seu caso, como o Brenitos é órfão de pai, é bem mais simples. Qq coisa me chama no viber! Bjs

  2. Sei e vivo algo parecido com o que breno vive. perdi meu pai novinha, mamys casou de novo e meu padrasto tinha dois filhos mais velhos. a combinacao foi tao boa, que dizem, sou mais parecida com o filho mais novo do meu padrasto que com meu proprio irmao gemeo.
    Nao sei como é a questao do pai do breno, se ele tem carinho e curiosidade por ele. eu ainda sou fascinada por meu pai. explique pra ele que nao existem "meio irmaos". ou é irmao ou nao é. quanto ao nome, acho complicado, pois entendo ter que haver adocao. e ai, a familia paterna de breno pode ficar chateada, etc.

  3. Humm complicado.
    Concordo com Miss Cherry, a familia paterna de Breno pode ficar chateada.
    Se o carinho ja existe, acho que precisa mostrar a ele que é isso que importa.
    Eu, tenho enteados, e não tenho filhos, portanto não tenho como comparar certo. mas posso te dizer que ficarei muito frustrada comigo mesma, se com meus filhos eu fizer alguma distinção. beijos e boa sorte!!!

  4. Concordo que nao existe meio-irmao. Eh irmao e pronto. Voce tanto nunca pensou no assunto porque nao tem muito o que pensar, ne? Sao irmaos e ponto final. Desnecessario o comentario feito na escola – essa coisa de rotular as pessoas eh muito escroto, ainda mais crianca que leva as coisas muito mais a serio do que nos.
    Nao rola de conversar na escola? Ok, como voce disse, nao eh "mentira", mas explica que eh um assunto delicado que magoou o seu filho e que na sua casa nao se faz essa distincao.

  5. Concordo que nao existe meio-irmao. Eh irmao e pronto. Voce tanto nunca pensou no assunto porque nao tem muito o que pensar, ne? Sao irmaos e ponto final. Desnecessario o comentario feito na escola – essa coisa de rotular as pessoas eh muito escroto, ainda mais crianca que leva as coisas muito mais a serio do que nos.
    Nao rola de conversar na escola? Ok, como voce disse, nao eh "mentira", mas explica que eh um assunto delicado que magoou o seu filho e que na sua casa nao se faz essa distincao.

  6. Que complicado… meio-irmao… que termo antigo 🙂 Diga ao lindo do Breno que ele eh o irmao completo, tudo que as irmas precisam e pronto 🙂

  7. Tema muito complicado… Achei completamente fora de propósito esse comentário da escola! tb acho que você deve começar falando lá na escola, mas tb falar com o Breno e que tudo fique bem claro para ele. Sobre mudar de nome (adoção), tem que ser uma decisão de todas as partes envolvidas, mas tb é importante que ele saiba que disso resulta transformações de "identidade". Será que ele quer? Não sei como era a relação dele com o pai (e lembranças) ou com a família do pai, mas se era boa, investigar porquê ele gostaria de "apagar" essa parte da história dele? Se a relação não era lá essas coisas, então esse desejo de mugdar de nome pode ser bem mais profundo e uma busca de uma nova identidade.

  8. Ká é um assunto delicado demais e ao mesmo tempo muito simples, pois o Breno é muito inteligente pra entender essa história de meio irmão, isso cabe mais quando é o caso de irmãos que são criados separados, o Breno participa da vida das irmães antes mesmo delas nascerem, penso que não é correto o Breno desfazer do sobrenome do pai, pois quem conheceu sabe do carinho e amor que o pai lhe dedicava, o pai de hj é aquele que tem o privilégio de participar da sua vida já tem td o seu amor e carinho, mas que fique a homenagem ao pai biológico, ele usando o sobrenome.

  9. se o problema é o nome e se isso vai confortar o coração dele, peça para o Rosinha adota-lo! Eu acho que a vida tem que ser simples sabe. Ele já tem o amor de vcs, mas se isso lhe faz falta, ainda mais em um país onde existem muitas vezes o preconceito, a tal xenofobia enrustida, ele ter o nome do irlandes vai ajudar né. Boa sorte aí, mas acho mesmo que vale uma convers com ele para saber o que realmente ele quer.

  10. Família tradicional hoje em dia é família misturada! Tenho exemplos disso na minha família e agora tenho o mesmo caso com meu namorado que tem um filho lindo, que eu amo! Mostre exemplos de outras famílias pra ele Karine, e talvez seja uma boa ideia o Rosinha conversar com ele para mostrar que ele o ama também… Que bom q eles se amam de qq forma, isso que é família de vdd!

  11. Ele está entrando na adolescencia correto? E essa fase é a de descobertas, de quebra dos pais mesmo. Todos passamos por isso.

    Essa questão do nome vem muito da questão da origem, de quem somos. Não é a toa que é nessa fase que crianças adotadas começam a manifestar interesse nesse assunto, eles precisam se descobrir, da onde vieram para saberem para onde vão.

    O chefe da minha mãe adotou o filha da esposa após o pai biológico abdicar dos direitos, não exatamente o termo utilizado. Aí é questão de conversar. Se todos aceitarem e essa questão fizer bem ao Breno não vejo problemas.

  12. Só espero que você não se torture com essa coisa de família tradicional: Pura ideia moralista e antiquada, se tem amor, já tem tudo, ponto.

  13. eu li o texto e na hora pensei: facil. Muda de nome. Aí li alguns comentários e pensei: facil. explica pra ele. Ai pensei um pouco e resolvi: facil. consulta todos os envolvidos, investiga as consequencias ( no dia a dia, emocionais, no futuro…).
    Resumindo. Dificil prá burro, né?

  14. Leio vários blogs e o seu é um deles. Quase nunca comento a menos que ache relevante. Desta vez achei. Tento sempre usar a empatia. Se colocar no lugar dos outros para saber como eu me sentiria naquele lugar. É claro que tudo é relativo, que cada um sente diferente. Mas no caso de crianças (eu tenho uma filha de pai falecido tb) é o melhor que eu consigo fazer, visto que muitas vezes eles não sabem se expressar com clareza. Acho que o sobrenome é parte da história da pessoa, das raízes que ela tem. Se for possível apenas adicionar o sobrenome do seu marido (com ou sem adoção) acho válido. Excluir o sobrenome do pai acho cruel com a história e memória deles. Você acharia correto se a história fosse com você e seu sobrenome?

  15. pois aqui na italia o meu filho foi considerado bastardo ate eu e meu marido esposarmos….porque ele nao era filho de uma familia legitima….de pais casados…..o preconceito aqui anda a cavalo….diz pra ele que para o coraçao a palavra "mei isso","meia aquilo" nao existe….e que o amor que o "Rosinha sente por ele nao menos do que ele sente pelas meninas…..baci

    *Carolina

  16. Se eh o que ele quer e eh importante pra ele acho que deveria mudar. No caso da minha filha, troquei o sobrenome por aqui, já que pai biológico não manteve uma relação com ela e o meu marido eh o super pai e o único pa ña vidai dela. Pra ela foi muito importante ter o mesmo sobrenome do pai e irmãos alem dela se sentir confortável e se identificar com o sobrenome. Eu nao imaginava como era importante Pra ela. Bj

  17. Gente, o Breno pode ser a criança mais inteligente, com o maior coração do mundo mais infelizmente as pessoas são malvadas e isso é triste o fato dele ser meio irmão, não é meio pois se o papai dele faleceu e ele vive com o rosinha quem é o pai dele? é o rosinha! e se o rosinha é o pai das irmãs dele, logo eles são irmãos sem meio, sobre o fato da adoção você pode fazer desde que fique o nome do pai biológico e acrescenta o nome do rosinha, tenho certeza que a família paterna vai entender e vai querer o breno feliz acima de tudo, por que como eu disse as pessoas são malvadas e preconceituosas e qualquer coisa é motivo de zoação,podem começar a excluir ele na escola e outros mimimis. pensa as irmãs dele são meio brasileiras e meia irlandesas, mais lá elas são irlandesas, já o breno é brasileiro e podem falar o que for sempre sofremos preconceito, por que se um infeliz foi falar isso para o breno não foi a toa creio eu, é muita maldade.

  18. Ka voltei. Nao tenho mais em que pensar e fiquei com meu comentario na cabeça, e percebi que parecia que eu falava que o Rosinha faria alguma diferença. Naaaaaoooo!!!!
    #alouca
    Na verdade, o que eu quis dizer, é que mais pra frente, ele vai perceber que alguns detalhes não tem a menor diferença, e a gente nem lembra deles no dia a dia. E com o tempo, nem se ressente com quem tem o doce prazer de lembrar….
    É isso. Beijooo

  19. Olá! Leio o seu blog faz um tempinho. É engraçado como se rotulam as pessoas e situações. Pode ser que nem foi na maldade, mas quando se é criança nós gostamos dessa sensação de pertencimento. Tenho meios irmãos, como se diria popularmente. Porém, na minha família nunca nos enxergamos como meios irmãos. Somos irmãos inteiros, unidos pelo amor, carinho e pelo senso de família que temos. Creio que o seu filho é amado por você, pelos irmãos e também por seu esposo. Amor, gestos, carinhos são as respostas que precisamos. Não importa como o mundo nos vê se quando chegamos em caso eu tenho uns braços que me acolhem.

  20. Oi. Eu venho aqui de vez em quando e hoje vou deixar meus dois centavos. Acho que essa situação é parecida com filhos adotivos. Pessoas sem maldade (?) questionam coisas que machucam. "São seus pais de verdade?/Are they your real parents?" ou se há irmãos na parada "São seus irmãos de verdade?/Are they your real brothers/sisters?". Poxa, vivem debaixo do mesmo teto, dividem o mesmo sobrenome, se relacionam diretamente e neguinho vem dizer que não é real? Ou de verdade? Os rótulos vão existir sempre, mas a maneira que a gente lida com eles é que faz a diferença. Espero que seu filhote consiga perceber o que verdadeiramente importa nessa relação! Beijo.

  21. Oi Ka, duvido que você nunca tenha pensado que eles são meio irmãos?
    Mas quem disse isso pro Breno falou na maldade ou falou por falar? Conversa com ele, explique tudo de uma maneira que ele vá compreender e que sempre que falarem isso pra ele, ele saiba contornar a situação, pois o que mais importa, é ele e o Rosinha saberem o sentimento bom que cada um tem para o outro. Sentimento de pai e filho, né?
    Beijo

  22. Oi Ka. Duvido que você nunca tenha pensado que eles são meio irmão?
    Mas isso hoje em dia é tão indiferente né? Você deve conversar com o Breno e esclarecer todas as duvidas dele e ''instruí-lo'' para quando esses tipos de situações acontecerem. E o mais importante é ele e o Rosinha saberem da importância que um tem para o outro. Sempre!
    Beijo

Deixe uma resposta