Na boca do Povo…

Ontem, lendo sobre o “casamento de adesão” (e sobre os comentários a respeito do casamento)do Felipe Dylon e da Aparecida, me dei conta do quanto eu mudei.
Pouco importa quem são os noivos ou se vai durar ou não, o importante é que essa família ganhou o meu respeito.

Desde que vim morar na Irlanda a minha postura diante do que a sociedade espera de mim, mudou.
Incluindo as festas.
Pra começar são poucas as festas irlandesas que podem ser comparadas com as mega produções das festas brasileiras, desde batizados a casamentos, passando pelas festas de 15 anos (que por aqui são inexistentes) e posso te dizer que eu aderi completamente ao jeito Europeu de celebrar (ou não celebrar) uma data importante, porque vamos combinar?

Brasileiro é que é bobo.

Para pra pensar, mais de 75% dos casais que casam, nem casa própria tem, parcelam o casamento em 50 vezes (as vezes se divorciam antes de pagarem todas as prestações), convidam o vizinho (porque senão fica “chato”) e se estressam mais do que se divertem.
É mentira?

Não estou dizendo com isso que quem sonha com um Big Fat Wedding não deva realizar esse sonho, só estou dizendo que existem milhares de outras formas de comemorar e que não existe certo ou errado, ou seja, bobagem criticar ou debochar da escolha que qualquer casal tenha feito para si.

Entendo que exista toda uma cobrança por parte da sociedade, aquele velho “o que vão pensar?” porque pensam mesmo, julgam, comparam, avacalham mas depois quem é que fica com as dívidas?
Quem tem que colocar o porta retrato na estante parcelada em 36 vezes porque não pode pagar a vista porque gastou o que tinha e o que não tinha com o casório?
Pois é.
Se já não fosse difícil por si só começar uma vida nova e a dois, você já de partida ganha um saldo negativo na conta.

E eu sou totalmente contra a teoria “se não tem é melhor não fazer nada”, claro que é bacana celebrar, e se você não tem condições de bancar uma festa grande, qual o problema em fazer o tal do casamento  de adesão?  a gente tem que se desapegar da opinião pública ou da pressão social, vai a um casamento desses quem torce pelo casal, quem quer celebrar com eles e não quem está afim de uma boca livre, tenho certeza de quem gosta dos noivos não vai se importar.

Aqui na Irlanda (e na Europa em geral, acredito eu)os casamentos são bem menores e pra ser convidado não basta ser da família, tem que ser amigo, tem que ser camarada, os convidados pagam suas bebidas e ninguém reclama, todo mundo se diverte e o mais importante, no dia seguinte, os noivos não tem pendência no cartão de crédito e ainda sobra para uma lua de mel bacana ao lado da única pessoa que importa de verdade.

O Dia que o Brasileiro acordar e parar de se preocupar “com o que vão pensar” além de um povo feliz, vai ser também um povo mais rico tanto financeiramente quanto culturalmente, afinal, vai sobrar muito mais para viagens e programas em família.

Quem sabe não tinha um monte de gente só esperando alguém dar o primeiro passo para aderir a idéia?

.

Facebook Comments

20 Comments

  1. Putz, to super de acordo, fico passada com essa coisa de nego não ter nem onde morar dar festão e começar a vida de casado atolado em divida, vi muuuuuuuitas dessas no Braza, mas olha, deve ser mal de "terceiro" mundo, porque na Hungria a coisa não é diferente não, nego por lá tá indo de mal a pior, mas ainda tem pai vendendo carro pra pagar festa de casamento da filha e fazer bonito pra toda vizinhança, aliás, pelo oque eu já vi de casamento hungaro, gasta-se muito mas é de um MAL GOSTO sem igual hahahha, as festas costumam ir até depois de meia noite, e ai depois da meia noite a noiva troca o branco por vermelho e geralmente o vestido vermelho é ridiculamente vulgar, não é raro ver noiva usando corpete e parecendo que recém saiu do sex shop hahaha

    Ai em Dublin eu trabalhei no Carlton e no Hilton, em ambos trabalhava no depto. de eventos e de tantos casórios que eu vi por lá, só DOIS tiveram bebidas pagas pelos noivos, e olha que ironia, nenhum dos dois eram de irlandeses, um era grego e o outro americano, acho que só nas "festas" de funeral tinha bebida grátis haha.

    Beijocas

  2. Aqui na Espanha quem paga grande parte da festa de casamento são os convidados. É de praxe dar, no mínimo, 100€ para os noivos, que incluem no convite o número da conta e tudo. Assim a festança rola sempre e os noivos não tem quase nenhuma despesa (dependendo do caso e da festa, claro).

  3. Ingrid,
    Não sabia que vc já tinha morado aqui!
    Olha que bacana!
    Pois é, acho que é coisa de terceiro mundo então…

    Glenda,
    Não sabia sobre essa “tradição” espanhola, pq vc não faz um post sobre isso?

    Então meninas, eu acho que é difícil “vender” essa idéia para os brasileiros, principalmente os que nunca tiveram a oportunidade de conhecer outras culturas e valores, mas, não custa tentar mostrar o outro lado, né?

    beijos

  4. Oi Karine, tudo é uma questao de costume mesmo, no Brasil infelismente prevalece o "aparentar" antes do ter e até mesmo do ser, ainda impera uma idéia obsessiva por projetar determinada imagem (de preferência ricas e poderosas)mesmo que ela nao corresponda com a realidade, mas nao sou contra, acho que é um traço cultural e para muitos um sonho que se alimenta ao longo da vida e que vale a pena o sacrifício para realizá-lo. Mas também já vi muitos noivos frustados depois do casamento, porque além de terem feito um sacrifício enorme gastando aquilo que nao tinham, se preocupando com todos os detalhes possíveis (convite lindo, lembrancinhas, fora os ítens básicos…flores, decoraçao, comida, música…)os convidados saem falando mal, colocando milhoes de defeitos e nao tem nenhum tipo de consideraçao com os noivos e suas famílias, sao mal educados, nao confirmam ou simplesmente ignoram o convite, muitos nem se prestam a dar um presentinho…literalmente uó!!
    Por aqui (digo em Barcelona que é onde vivo) o costume é informar o valor, que pode ser depositado na conta ou entregue na festa e em geral, sao os padrinhos que se encarregam de comunicar para os convidados desavisados, além disso os convidados dao um pouquinho mais como presentinho para contribuir com a lua de mel. NO meu casamento, nao informamos conta, nem pedimos valor nenhum, mas no fim das contas tivemos boa parte da festa e a lua de mel pagas só com os presentes…nossos convidados foram uns fofos!!!!
    Enfim, cada um com o seu cada qual, mas sem dúvida é bem melhor ser noivos por essas bandas de cá né!!!!
    Beijos
    Mônica

  5. Com certeza Mônica!
    Aqui na Irlanda esse negócio do presente não é tão direto com informações de número de conta e tals, mas no meu casamento só ganhei um presente que não foi dinheiro! E aconteceu o mesmo, pagamos boa parte da nossa Lua-de-mel com os presentes!!!

    Achei lindo!

  6. assim que eu vi a noticia eu lembrei de vc e de quando contou aqui no blog que na Irlanda é assim que se faz. na frança os convidados nao pagam as bebidas, mas a festa nao é como no Brasil tb nao. o que acontece é que existem etapas e so a familia e melhores amigos sao convidados pro jantar. o resto ou é so pra igreja ou pro brinde de honra depois da cerimonia e antes do jantar.enfim, infinitamente mais simples.

    esse seu texto é exatamente o que eu penso. tenho uma preguiça dessas tradiçoes babacas do Brasil, viu?aff

  7. Nós já fomos convidados para o casamento da prima do Eamon onde nosso convite era para depois do jantar, ou seja, para o bolo e o champagne. (:
    Não fomos por questão de logística, seria trabalhoso encontrar alguém para ficar com as kids (que não foram convidadas), mas se não fosse isso, eu iria de boa!….

  8. Eu faco muitas festas. E nas minhas festas o convite e simples: venha, traga um prato de qualquer coisa pra dividir com os outros e a sua propria bebida.

    E ja tive gente perguntando:

    Que porra de festa e essa? Vc nao da nada?

    dou. Dou a casa, a organizacao, o basico ( ninguem traz copo, bandeija, gelo, descartaveis…), contrato o garcom e a empregada. E ainda tenho uma trabalheira pra botar a lista de convidados em ordem e ligar pra todo mundo.

    Ja nao fico mais chateada quando ouco a pergunta ( sempre vinda de brasileiros ou latino americanos). Agora a resposta basica e: esse e o tipo ed efsta onde vc sabe que vai etr alguma coisa que vc gosta pra comer – a menos que vc se sabote e traga algo horrivel.

    Fim ed papo.

    Bj

  9. Já em 1997 eu fiquei abismado quando fui a um casamento nos EUA de uma família negra. Cada convidado trouxe um prato, todos os convidados foram "convidados" a participar da decoração e limpeza do local. A festa foi ótima, divertida, a comida maravilhosa e os noivos só gastaram com tudo isso 500 dólares.
    No Brasil conheço dois casais. Um deles gastou 35 mil no casamento (e perderam o apto porque nao tinha dinheiro pra pagar a prestação), hoje já estão divorciados.
    O outro casal mané gastou parcelou o casamento em 60 vezes! Pode?
    Que gente completamente sem noção! O pior é pagar para os outros sairem reclamando…
    Concordo 100% com os Irlandeses. Casamento só para amigos (mesmo família, só se for amigo)
    Apoiado…
    Bjs

  10. Vamos convocar os brasileiros para uma mudança saudável!!!!rsrsr bjks

  11. Perfeito o que você escreveu!!!

    Recentemente aconteceu minha festa de casamento. Uma festa simples, que saiu muito melhor do que esperava. Confesso que por alguns instantes me senti um pouco em duvida e meio triste por não ter um casamento com todas aquelas pompas. Mas, o que me conforta é a compra do apartamento que em breve estará pronto e já é meeeeeu e do meu marido.
    Enquanto isso, assisto de camarote pessoas próximas a mim que dão a vida por uma festa dessas e no final descobrem que uma vida a dois é algo muito superior e que requer todas aquelas coisas que sabemos, mas que poucos praticam: respeito, companheirismo e etc…
    Por isso, muitos casais separam. Conheço alguns que estão por conveniencia e assim vai!!! Resta somente, pedir proteção de Deus àqueles casamentos que realmente se constituíram em base sólida, sabe?! Tipo…casal bem pé no chão?!

    Essa é a minha humilde opinião!!

    Ass: Kath!!

  12. Kaaaaa, eu tava lendo isso ontem na internet, sobre os dois. Me revoltou ler os comentários do povo, gente de cabeça pequena. Aqui nos EUA é super normal o povo fazer casamento de adesão (nem sabia que era assim que falava). Eu acho super válido. Eu e Bryan nao tivemos dinheiro pra casamento, casamos na corte mesmo. E quer saber, nem vontade eu tenho. Quando vi o quanto ia custar um casamento simples (10 mil dolares, que apesar de ser bem mais barato do que os do Brasil, a gente nao tinha pra pagar, entao nem quisemos fazer divida. É ruim hein… é nessas horas que dou graças a Deus de ter saído de lá. Não tenho paciência pra povo de cabeça pequena, que só sabe cuidar da vida dos outros.

  13. Eu concordo em gênero, número e grau! Essa semana mesmo o assunto aqui de casa foi como brasileiro é preocupado com o status e a opinião alheia. "Mas se eu não fizer vou parecer pobre, ou o que vão pensar de mim?" e nessa, a gente perde o salário todo tentando manter um padrão. Admiro muito aqui na Europa a simplicidade que eles encaram a vida social. E isso reflete depois na consciência limpa de não ter que pagar um monte de dívidas no final do mês. Com certeza o Brasileiro tem muito o que aprender ainda! Ótimo post, como sempre! bjoos

  14. Bravo!! Eu, que casei quase escondido em Portugal sem trazer nem a família, assino embaixo. Se não precisasse de testemunha, acho que ninguém teria visto a 'cerimônia'. E foi um dia bom, sem stress, memorável. A grana da festa a gente tá gastando até hoje, fazendo farra todo dia… 😉
    bjo e thanks pela reflexão sensacional

  15. Adorei!
    Conheci seu Blog na Página do Facebook do Fundo Cristão.
    Gostei demais deste post,acho super verdadeiro…

    Espero poder voltar aqui mais vezes…

  16. Que bacana Mônica! Obrigada pela visita e pelo comentário!

    beijos

  17. Apenas hoje tive a oportunidade de ler esse post, e, ironicamente, ontem dei de cara com essa matéria aqui… http://wp.clicrbs.com.br/holofote/2011/10/24/no-casamento-de-felipe-dylon-e-aparecida-petrowky-cada-um-pagara-a-sua-conta/?topo=52,1,1,,186,e186
    Se tiver a oportunidade, dê uma olhadinha. Assim como você, eu também não tenho nada a ver com a vida dos dois, mas me entristeceu, Karine, ver o teor da matéria e dos comentários a ela vinculados. Cara, que pobreza de espírito! É o tipo de coisa que a gente bate o olho e lamenta, tamanha a superficialidade que habita a mentalidade da grande maioria dos brasileiros. Ter lido sua opinião a respeito me fez acreditar que não estou sozinha ao pressupor que, de fato, brasileiro ainda é deveras ignorante no concernente à sua postura perante a sociedade.

  18. Parabéns pelo post, achei sensacional!!

  19. Gente adorei tudo que li aqui

  20. Gente! Adorei esse blog!!!!
    Vou me casar no mes de setembro na modalidade "casamento por adesão". por que será assim?! Porque tenho quase 400 pessoas na família e amigos,e já viram, convidar um e n]ao convidar outra dá até guerra na família. é impossível fazer festa pra esse tanto de gente e não gastar uma fortuna!!!!!
    Então, a solução foi casar por adesão, vamos nos casar na beira de um lago, próximo de um restaurante que amo, sendo a recepção no restaurante cada um pagando o seu.
    Assim, nessa modalidade, acredito que só vai mesmo que gosta do casal. Não quero presente nem roupa chique para os convidados, quero apenas a presença deles.

Deixe uma resposta