Joga fora no Lixo.

Joga fora no Lixo.

Eu sempre morei em apertamento, sempre.
E sendo assim meu pai era o maníaco do lixo, ou seja, ele não acumulava nada, nadinha em casa, quando a gente ganhava um brinquedo novo era quase que uma substituição instantânea e ele desfazia de algum outro antigo, eu morria de raiva, sabe? mas confesso que só não faço o mesmo aqui em casa porque Rosinha não entende esse desapego todo de quem morou a vida inteira em um espaço reduzido, a realidade era que a gente tinha que escolher, ou era a gente ou as coisas, não dava para acumular na mesma proporção de quem foi criado em uma casa com , sei lá, 7 quartos, como foi o caso dele.

No corredor do meu apartamento tinha uma lixeira coletiva, a gente abria a porta e jogava o lixo lixeira abaixo, sem nenhum controle, sem nenhuma separação, sem limites, enquanto houvesse necessidade.

Quando vim morar na Irlanda, no primeiro lugar que eu dividi a casa cada semana um pagava a taxa do lixo que se eu não me engano custava em torno de 8€ por saco e o lixo era separado em reciclável ou lixo comum.

Na casa do Rosinha, na que ele morava sozinho, era a mesma coisa, toda a semana uma empresa coletava o lixo mediante a compra de um adesivo vendido no mercado local.

As empresas que operam esse mercado são privatizadas e existe por volta de umas 5

Na nossa casa, quem faz a coleta do lixo é uma empresa chamada Panda, todas as casas tem duas lixeiras grandes que ficam normalmente localizadas na frente, uma de lixo comum e a outra verde de lixo reciclável (aqui na rua tem quem use também a lixeira roxa, que é para lixo orgânico, tipo coisas de jardim e restos de comida), a gente paga uma média de 35€ por mês pela coleta, que é feita 1 vez por semana (do lixo comum) e 1 vez a cada duas semanas do lixo reciclável.

Acontece que para as coisas maiores a gente é obrigado a alugar um Skip e pagar caro por ele.
Já falei aqui no blog sobre Spring Cleaning, uma época do ano onde é comum fazer aquela faxina, jogar as coisas que não servem fora e doar outras, né? Esse ano a nossa foi das boas e tivemos que alugar um skip por 4 dias, o que nos custou 150€, ou seja, existe explicação para o consumo racional europeu, até pra se desfazer das coisas a gente tem que pagar e caro por isso, não pense que eu acho ruim (tirando a parte de pagar caro por isso), acho ótimo, o problema é ter que achar alguém que aceita doação antes de adquirir outro armário, por exemplo…mas já estou acostumada e nem sei se conseguiria viver em um lugar sem separação de lixo, aliás me sinto muito incomodada quando visito o Brasil e vejo que pouco mudou em relação a essa conscientização, ou seria só impressão minha?

Como seria a vida com uma comlurb privatizada?, bem diferente da realidade de hoje em dia, né?

Facebook Comments

12 Comments

  1. Kássia Janys Hannigan

    Acho que isso de separar lixo é a primeira coisa que se aprende quando se pisa em solo da Ilha da Esmeralda né? Antes de aprender ingles, aos que nao sabem ou qualquer outra coisa.No inicio eu que sou lerda demorei um pouco a me acostumar com a ideia, porque como bem disse, la no Brasil e nao diferente la em mainha lixo é lixo e nao se separa. Mas fui criada "acumuladora" junto com minhas irmas rsrs, mas ate que comecei a da um basta nos "acumulos" e amava me desfazer das coisas que nao precisavamos mais, nao necessariamente velhas, mas sem utilidade. Sendo que nao tem " loja da caridade" e as roupas sempre eram mandadas para o interior e coisas como livros sempre tinha uma professora que ensinava em casa que necessitava ou mesmo as bibliotecas de escolas publicas.

  2. Ká, aqui no Brasil continua como sempre foi …..os políticos só querem levar vantagem a Educação é um fingimento generalizado, assim como saúde, transporte e tudo mais….sabe quanto vamos atingir esse estágio????NUNCA!!!!!!

  3. Karina, aqui devo discordar, primeiramente, pois o Brasil eh relativamente grande para generalizar, mas em segundo plano, a conscientizacao vem de uma educacao. Em Goiania a separacao do lixo eh bem comum e inclusive com coletas seletivas em parques. No nosso predio (iniciado pela minha mae e outros e nao pelo governo)organizaram com a empresa de reciclagem a coleta. A associacao de moradores do bairro tem a cada 15 dias o caminhao (gratuito!) que passa recolhendo todo o lixo reciclavel do bairro. A coleta eh regulamentada pela prefeitura e fizeram parceria. Uma cidade muito mais limpa e arborizada… em SP o meu predio tb tem coleta seletiva e a prefeitura coletada lixos diferentes e os latoes de lixo nao ficam nem expostos no predio… talvez seja a hora das pessoas tb se organizarem e darem 1o passo para modificar esta educacao, o que vc acha?

    • Eu concordo com vc.
      O que falta muito nos brasileiros é iniciativa, se eu morasse no Rj no mesmo condomínio agitaria fácil para que o lixo começasse a ser devidamente separado,

  4. Michelly Madson

    Olá Karine!
    Sou nova por aqui e gostaria de fazer um comentário, pois esse é um assunto que me incomoda bastante. Vivo no Rio e realmente é muito triste todos os dias me deparar com tanta sujeira numa cidade tão linda…
    A partir da semana que vem, a Prefeitura pretende colocar em prática a lei que vai multar àqueles que sujarem a cidade. Estão rolando algumas campanhas e propagandas na tv, mas penso que após os eventos esportivos, essa campanha vai cair por terra como tudo por aqui…espero que até lá o povo tem adquirido um pouco mais de consciência.
    Moro num condomínio em se faz a separação do reciclável e a administração se encarrega de levar a um posto de reciclagem. O valor arrecadado entra no fundo de reserva, isso é um grande incentivo, mas infelizmente não são todos os condomínios que o fazem…
    Enfim, esperança em dias melhores, com ruas limpas e um RJ mais cheiroso…rsrsrs

  5. Michelly Madson

    Ah! Lembrei que em Londres, existem caçambas nas ruas em que você pode depositar algo como sapatos e roupas que pretende doar para instituição filantrópica. Acho uma excelente iniciativa, principalmente para pessoas que vivem em cidades que infelizmente não possuem a oportunidade de estarem próximas dessa realidade mais carente…não sei se existem outras cidades pela Europa que fazem isso, mas já estou curtindo a forma como é feito aí em Dublin, que a partir do próximo ano, possivelmente será minha nova casa.

  6. Na cidade de onde venho continua a mesma coisa, às vezes a lixeira está pertinho, mas pessoas ainda preferem jogar lixo no chão. No Rio fiquei hospedada em 3 casas diferentes, de um tio e de duas amigas, e em nenhuma delas vi as pessoas separando lixo.

    Quando vim pra Holanda também estranhei a separação do lixo e o fato de ter que pagar pela coleta. Hoje em dia acho ótimo, colocar a mão no bolso ajuda a colocar também a mão na consciência.

    No Brasil vejo muita gente dizendo que quer mudar, quer melhorar, mas sem que pra isso tenham que enfiar a mão no bolso, ou pagar multas, ou taxas. Tenho certeza que se o governo decidisse privatizar a coleta seletiva, por exemplo, teria muita gente reclamando; assim como foi (e ainda é) com a Lei Seca, nego acha um absurdo pagar tanto dinheiro só porque tomou umas duas cervejinhas, onde já se viu isso, já que pagamos tanto imposto? É um roubo!

    Como se aqui tudo fosse de graça! Mas na minha opinião o segredo pra tanta organização são justamente altos impostos, taxas e principalmente MULTAS.

    Hoje posso dizer que economizo até no meu lixo! haha

  7. Em Laranjeiras tinha coleta seletiva de lixo quando ainda mora la, em 2005 (e antes), o "lixao" era por ali mesmo, mas nao tinha essa coisa de reciclar moveis e outros objetos maiores, como tem aqui. Em Londres, o custo eh parte do council tax, nao pagamos a mais pelo servico (exceto pra coleta de jardinagem) e quem quer se livrar de itens maiores, pode levar no proprio carro pro lixao da area. Vira e mexe fazemos isso. Mas meu proximo exercicio eh parar de comprar mesmo; descobri TANTA coisa que nunca usei ou usei pouquissimo, que nem precisava ter comprado… 🙁

  8. Ká, aproveitando a deixa de falar sobre esse tipo de coisa, como funciona o financiamento de imóveis na Irlanda? Não sei se vc já falou disso aqui, mas é uma curiosidade que tenho.
    Bjss e tô ansiosa pra ver a carinha da Amy. Quando ela chega?

  9. Que curioso pagar pela coleta, aqui em Amsterdam nós não pagamos não. Mas o que acho super legal é que a cada 150 metros (acredite!) tem containers de lixo reciclável: plástico, vidro e papel. E eu separo tudo porque acho que é o mínimo que posso fazer por esta cidade. Já estou acostumada, como você, não vivo sem reciclar 🙂

  10. OI Ká!!
    Nao sei como é nas outras cidades do Brasil mas aqui em Curitiba o lixo é separado há mais de 20 anos.
    Depois que a gente se acostuma vira rotina…coisa do dia a dia, né??? Para mim é tão tranquilo e natural que nem escovar os dentes….heheh
    Mas a coleta do lixo é só uma vez por semana??? Achei muito pouco….lixo organico nao aguenta ficar tanto tempo sem coleta!!!
    Beijos
    Andrea

  11. Gente..fiquei bege com o Rio de vcs ou com os cariocas. Achava que estava mais adiantado por ser a lugar de turismo n.1 do Brasil.
    Discordando de todas vcs, com excessao da "liviadibatista" pque morei em Brasilia e desde que eu me lembre, a cidade era super consciente sobre o lixo. la morei em casa e apartamento e tinhamos que seoarar tudo e logico os funcionarios das quadras que pegavam e separavam ainda mais para colocar nos containers e o caminhao pegar. Nota: passavam 2 x ao dia. Sim..2 x ao dia. E lavavam tudo..containers e latas de lixo de cada andar do edificio. Em chegando no Canada, ja sabia tudo e ainda ensinei muitos vizinhos, pque eles sao mais folgados e simplesmente atiravam nos garbages can, sem a separacao.Entao, o Brasil eh grande e depende dos governantes, da politica do estado e do partido da cidade, ai, meus sais.
    Marilia CA

Deixe uma resposta