Faz o Favor…

Faz o Favor…

Um dia desses resolvi ir caminhando buscar a Chloe na creche.
Se eu gosto de caminhar?
Não, não gosto.
Se eu preciso caminhar?
Sim, muito, talvez da Irlanda ao Brasil se quiser voltar ao meu peso de quanto tinha 18 anos.
Só não faço esse experimento porque ir da Irlanda para o Brasil exigirá de mim muita andança e natação e natação é o esporte que eu mais detesto no mundo seguido de caminhada que me deixa com dores musculares incríveis…
Mas voltando ao assunto…
Eu tô precisando andar e fui, fui buscar a Chloe na creche.
O dia estava lindo, na ida, na volta começou a chover e eu tive que me enfiar com a Mia (que estava no carrinho) e a Chloe que estava a pé, em um ônibus.

É relevante citar que o ônibus daqui é bem diferente do que os do Brasil, pra melhor, como você deve imaginar e nossa mini viagem só não foi mais tranquila do que se eu aprendesse que não se pode confiar no irish weather e tivesse ido de carro, porque nem taxi seria melhor opção do que Bus…
Por isso não é raro você encontrar  aqui na Irlanda, kid usando carrinho até uns 3/4 anos e com isso, muito menos crianças se perdem em shoppings, são atropeladas ou tem mães estressadas.

E daí que experiências desse tipo me despertam muita dó de quem mora no Brasil e que precisa do transporte público para se locomover, nesse caso a mãe tem que carregar seus filhos nos braços (na cabeça, nas costas ou agarrado na perna) no mínimo por dois motivos:
1° As calçadas no Rj são uma vergonha
2° O transporte público não facilita em nada vida de mães e de cadeirantes.

E eu fico com muita, mas muita raiva, porquê eu não moro mais no Brasil, mas visito regularmente e é um sufoco quando eu preciso utilizar meu carrinho, até porque, morando por aqui, perdi todo o gingado e rebolado que a pessoa precisa ter para carregar filho e bolsa.

E aí eu fico na dúvida se a gente está mesmo no século XXI.
Porque não deve custar tanto assim facilitar a vida de quem precisa, né?

Estacionamento para carrinhos e cadeiras de rodas no ônibus.

Primeiro banco, normalmente usado por idosos, com campainha ao alcance das mãos.

P.s.: Que fique claro que meu deslike por caminhada não inclui as que eu faço no shopping…of course
.

Facebook Comments

8 Comments

  1. Oi Ká pena que pelas fotos não deu pra mostrar bem como é tranquilo para as mães pegar onibus com carrinho de bebê aí em Dublin, eu vivo comentando esse assunto aqui. Quem sabe daqui a 100 anos nosso País chegue ao 1º mundo????

  2. Patricia Kikuda

    Pois é ….aqui no Brasil , além de ter equilibrio é preciso ter paciência…MUITA PACIÊNCIA…………..

  3. Karine, me pergunto com muito frequencia como eh que eu faria se estivesse no Brasil. Aqui os ônibus tb sao otimos e quando eu lembro dos que pegava em Campinas chega a "ripiar".

  4. pow,eu só vou de for de carro,e com um filho especial piorou,não tem estrutura nenmuma O Jõao Pedro está com três anos e agora que eu me desfiz do carrinho de bebê,mais comprei um carro desses que a criança senta e dirige pra andar pelo bairro ,é muito sufoco,achei um luxo o ônibus daí.beijin!

  5. Os onibus da Holanda sao bem bacanas tb, ja os trams de algumas cidades (como den Haag e Delft), deixam demais a desejar, nao tem um ou dois, mas tres degraus super altos, ninguem sobe um carrinho se nao for ajudado, claro que sempre tem uma boa alma, mas mesmo assim, acho desaforo.
    Para os cadeirantes e as velhinhas que usam andador e demais que nao conseguem subir, tem umas vans especiais, mas toda vez eu me pergunto se nao seria bem mais facil adotar novos trams e facilitar a vida de todo mundo.

    Beijocas

  6. Realmente nao custaria nada investir em melhorias publicas aqui no Brasil quando se tem governantes roubando descaradamente o povo,esperamos que apesar de muitas lutas consigamos perceber alguma mudanca,parabens pelo post.
    DEUS abencoe e proteja sua linda familia a cada dia mais!!! :*

    http://julhia-joe.blogspot.com.br/

  7. Isso eh que eh primeiro mundo em Ka? Nem aqui nos EUA tem disso. Pelo menos nunca vi. Meu marido tem o sonho de ir morar na Europa um dia, pois se ele for, vou dar o maior apoio haha, e vou junto claro.
    🙂

Deixe uma resposta