Eu sou a melhor…que posso ser.

Eu não sou mãe de primeira viagem e acho que nunca fui.
A minha primeira gravidez foi tão conturbada emocionalmente que eu não tive tempo, paciência, energia, saco -e pra ser sincera- nem curiosidade de saber a opinião dos outros, muito menos me importar com elas.
O Breno foi meu primeiro filho, mas não foi o primeiro filho do meu primeiro marido (hoje falecido) e acho que isso de alguma maneira influenciou.
Enfim….

Ele agora está com 10 anos, ou seja, até tinha internet naquela época, mas nada comparado ao acesso irrestrito e as vezes sufocante que todo mundo tem nos dias de hoje.

Aliás, tenho até pena das mães de primeira viagem que buscam online a solução para as suas dúvidas, porque sejamos honestas, muita informação é tão ruim (ou pior) do que informação nenhuma, não é mesmo?

Então como quando eu estava grávida do meu primeiro filho, além de trabalhar muito, eu não era fã da vida virtual, desde o início fiz o melhor que pude, seguindo meus instintos e te digo, culpa, nunca, nun-qui-nha, nem por um segundo, foi meu sobrenome.

Minha licença maternidade durou 3 meses, com 2 meses e 15 dias coloquei o Breno na creche, sem olhar para trás, aos 4 meses ele parou de mamar no peito e that’s it, sobreviveu aos cuidados de outras pessoas, escola, mimo dos avós (meus pais que por vários meses pegaram ele na creche para mim) e babá (que ficou com a gente desde o início e por quem eu serei grata para o resto da vida), ele tá vivo, lindo, esperto e quem tem o prazer de conhece-lo sabe que eu devo ter feito alguma coisa direito para ter um filho tão bacana.

Sim, fiz muitas coisas diferentes da segunda vez.
Estava mais madura e com mais tempo para me dedicar exclusivamente a família mas, como dessa vez a bebê não era a única que precisava de atenção, eu, morando na Irlanda com pouca ajuda, tive que desistir de amamentar, primeiro porque tentei e não consegui, segundo que depois que tive que complementar com a mamadeira ela foi largando o peito gradativamente e em 1 semana já não quis mais e foi tudo bem, entrei com a fórmula e desde os 20 dias ela sempre dormiu a noite toda, todinha, sem intervalos comerciais, o que foi ótimo pra minha pele, pra minha vida e para o meu casamento (porque, né?  sou mãe mas não estou morta, pelo contrário!).

Sempre fui tranquila, acho que o meio termo é o que faz a vida valer a pena e assim baseio a educação, rotina e alimentação dos meus filhos. Vale Dvd, televisão, papinha da Nestle, açúcar de vez em quando, sal na medida certa e muito amor.

Hoje a Chloe tem 2 anos e demos o primeiro grande passo rumo a independência da princesa: creche! Não, eu não trabalho fora e nem tenho planos por enquanto, mas acho importante a convivência dela com crianças da mesma idade, tirando é claro, que preciso de um tempo pra mim, de silêncio, sem choro, sem música infantil ,sozinha e sem culpa.

Porque eu sou a melhor mãe que posso ser e segundo meu filho, sou a melhor do mundo!
É isso que importa.

Esse post faz parte de uma blogagem coletiva, feita por iniciativa da Carol, que me convidou a fazer parte da postagem sobre Mães Reais.

Para conhecer histórias de outras mulheres de carne, osso, amor e muita vontade de acertar, bate aqui ó.

Boa leitura!
blogagem coletiva
.

.

Facebook Comments

11 Comments

  1. oi Ká vim te fazer um pedido, vc podia escrever sobre como tá fazendo p educar seus filhos em dois idiomas, eu ainda n tenho filhos + pretendo engravidar logo e me preocupa criar um filho fora do brasil e ter ele fora do barsil tb, sobre isso eu li seu post falando da sua experaiencia de ter tido a Chloe ai… besitos y gracias

  2. Ai que lindo :~~
    Ai que lindas :~~

  3. Adorei o post e acho mesmo que o que vale e o seu instinto de mae e mulher, porque a gente sabe o quanto tem gente que sabe criticar e no fundo nao tem coragem de assumir que faz certas coisas so para dizer que e a mae modelo nao sei pra quem…

    Bjkas

  4. Tudo que fazemos com Amor, mesmo mais pra frente vc vendo que poderia ter feito melhor, não é motivo pra se lamentar, pois vc deu o melhor de si, o verdadeiro Amor …Incondicional. É isso que tb sinto como mãe. Parabéns pelo Post. bjs

  5. Pra mim, ouvir atentamente ao nosso instinto materno é um passo enorme no caminho da melhor maternidade que podemos exercer e da melhor mãe que podemos ser! Adorei o seu relato!
    Bjos,
    Camila
    http://www.mamaetaocupada.blogspot.com

  6. que graça de blog! não te conhecia, como a blogsfera tem seus caminhos, não?
    obrigada pela visita, voltarei!
    bjos

  7. Muito legal!!!!
    Estou grávida e achei seu blog pesquisando sobre o nome chloe. Se for uma menina quem sabe…

  8. Muito bom, vizinha. Tá na cara que vc é a melhor que pode e isso sem dúvidas faz de vc a melhor do mundo! Parabéns! bjos (e vai trocar fralde ;P)

  9. Conheci seu blog hoje através da blogagem coletiva.
    E vou dizer, adorei!
    Adorei a maneira desencanada e leve com que você trata a maternidade!
    É tão mais facil quando a gente não supervaloriza as dificuldades.
    Me fez refletir.
    BJos

  10. Nossa, Ká….adorei seu post mesmo!!!! Vc diz tudo de verdade, parabéns….o importante e o amor mesmo…
    Tb sou assim, sem frescuras, não procuro solução online, pois se não vc pira, pois só vem respostas loucas e vc já tá louca com a situação, aí pronto né? rsrsrss

    Tb não trabalho fora e os dois estão na escola e sim eu mereço uma manhã só minha, para me ver, me cuidar, cuidar da casa e sim estar de bom humor total para eles quando eles chegarem da escola cheio de novidades, srrsss
    A Lu eu ainda trabalhava e foi para a escolinha aos 6 meses depoos da licença pois emendei férias e licença(total de 6 meses)….e TODOS me falavam (nossa vc não ficou com dó??? afff eu não conseguiria!!) gente eu precisava voltar a trabalhar, oras, rsrssss..e bebê, como diz minha mãe, está trocado e alimetado sobrevive num bom colinho e pronto…foi assim até hoje, eles são saudáveis e felizes e isso que importa né? O Pedrinho, sei lá o que deu, ele mamou até os 2 anos,(eu já estava sem trabalhar) kkkkk com 1 ano e 6 meses tb foi para a escolinha e pronto foi desmamando naturalmente e hoje ele adora ir com a irmã para a escola, pronto, todos felizes e tranquilos, kkkkk
    Adorei seu relato, sem frescuras e mãe de verdade! Ponto final né??

    Um beijo, vou te seguir para saber mais da vida na Irlanda. O que fez vc ir parar aí? Vc está aí faz tempo pelo que percebi no seu post né?

    Parabéns pela mãe que é.
    Bjuuu Gi

Leave a Reply